Petrobras dá início à operação do supercomputador Dragão

Publicado em: 16/06/2021 15:16:36

FOTO RAFAEL WALLACE

Capacidade de processamento é igual a de quatro milhões de celulares

A Petrobras colocou em operação em 01/06 um gigante de 20 toneladas e 34m de comprimento: o supercomputador Dragão. Com 200 terabytes de memória RAM (Random Access Memory), rede de 100 gigabits por segundo, e milhões de processadores matemáticos, o supercomputador Dragão tem capacidade de processamento equivalente a quatro milhões de celulares smartphones ou cem mil laptops modernos. Ele supera os dois maiores supercomputadores da América Latina, o Atlas e o Fenix, que também pertencem à Petrobras. Com o novo equipamento, a companhia – que tem buscado incessantemente a aplicação de novas tecnologias nos seus negócios - vai aumentar ainda mais a performance do processamento de dados geofísicos, reduzindo riscos geológicos e operacionais, além de dar suporte a projetos estratégicos da companhia.

“O dragão, o maior supercomputador da América Latina, reforça nossa estratégia de conferir mais economicidade, agilidade, segurança e resiliência às nossas operações, aumentando a capacidade de processamento de dados para dar suporte ao negócio e agregar valor à Petrobras. Em cerca de dois anos, foram colocados em operação nove supercomputadores e esperamos chegar ao final de 2021 com cerca de 40 petaflops de capacidade, sem contar o uso de nuvem”, afirma o diretor de Transformação Digital e Inovação, Nicolás Simone.

O supercomputador Dragão atuará no atendimento de necessidades de processamento de dados geofísicos da Petrobras, além de contribuir para os programas estratégicos como o EXP100, com uso de 100% dos dados técnicos disponíveis nos projetos exploratórios, e o PROD1000 tornar a Petrobras líder da indústria no prazo para início da produção de um campo. Serão utilizados algoritmos desenvolvidos pelos geofísicos e analistas de sistemas da companhia, possibilitando a geração de imagens da subsuperfície com maior resolução em áreas de interesse para exploração de petróleo e gás natural e otimização da produção, além de reduzir significativamente os tempos de processamento. O uso de novas plataformas tecnológicas, da digitalização e da robotização são grandes aliados para um ambiente de inovação focado em ganhos de eficiência. 

“A capacidade de computação no mundo dobra a cada dois anos e a estratégia de investir em aumentá-la, seja por meio dos supercomputadores ou nuvem, tem trazido inúmeros ganhos da companhia. Com a evolução da capacidade de processamento de dados geofísicos, reduzimos o risco nos projetos de E&P e podemos dimensionar melhor os projetos, o que traz grande economia, e até posicionar melhor os poços, aumentando o índice de sucesso exploratório. Isso é inteligência competitiva”, afirma o diretor de Exploração e Produção da Petrobras, Fernando Borges.

O processo de montagem do supercomputador durou cerca de três meses, seguido por período de instalação de softwares e operação assistida. Foram necessários dez caminhões para transportar todas as partes do Dragão. Ele foi instalado em fileiras de oito a nove blocos que, juntos totalizam 34 metros de extensão.

×

Acesso ao Conteúdo

Exclusivo para jornalistas cadastrados.

×

Enviar notícia

Preencha o formulario abaixo para enviar a notícia:

× Crédito AGÊNCIA PETROBRAS

A Equipe Mitsubishi Petrobras, formada pelo piloto Guilherme Spinelli e pelo navegador Youssef Haddad, disputa a 21ª edição do Rally dos Sertões.

×

TESTE