Reduc completa 60 anos de operação

Publicado em: 09/09/2021 18:10:27

FOTO CÉSAR DUARTE / AGÊNCIA PETROBRAS

Investimentos preparam refinaria para atuar de forma mais competitiva em um mercado de refino aberto e em transição para uma economia de baixo carbono
 
A Refinaria Duque de Caxias - Reduc completa hoje 60 anos de operação. Terceira maior refinaria do país, com capacidade para processar 252 mil barris de petróleo por dia, e a mais complexa da Petrobras, a Reduc possui 43 unidades de processo distribuídas em uma área de 13 km², que produzem mais de 50 tipos de derivados diferentes. Com uma logística privilegiada, interligada às rotas de escoamento do pré-sal e a diversos terminais, e localização próxima a importantes mercados consumidores, é responsável por cerca de 80% da produção nacional de lubrificantes, além de ser um dos principais polos de produção e distribuição de GLP do Brasil.

A refinaria tem aproximadamente 1.200 empregados próprios e 1.800 funcionários de empresas contratadas para realização de serviços de rotina, além de vagas de emprego temporário em obras de modernização e paradas de manutenção. Somente em 2021, foram gerados mais de 4.000 postos de trabalho, a maioria ocupada por mão de obra local, levando emprego e renda para as famílias da região.
 
A Reduc é uma das cinco refinarias que permanecerão no portfólio da Petrobras após os desinvestimentos previstos no parque de refino. Atualmente, a companhia realiza uma série de investimentos na unidade com o objetivo de prepará-la para atuar em um mercado de refino aberto, mais competitivo e em transição para uma economia de baixo carbono.
 
No Programa RefTOP – Refino de Classe Mundial, a Petrobras está adotando uma série de medidas para aumentar a eficiência energética e o desempenho operacional de suas refinarias. Na Reduc, a implementação de diversas iniciativas de melhoria de desempenho energético até 2025 permitirá a redução  do consumo total de energia em cerca de 28%, o que equivale a uma redução de cerca de  238 milhões de m3 de gás natural ao ano.

Outro importante direcionador do RefTOP é o aumento na produção de derivados mais rentáveis, como o Propeno, um dos produtos de petróleo de maior valor agregado, usado como matéria-prima na indústria petroquímica para a produção de embalagens, peças para automóveis, tapetes, tecidos e móveis. O Programa prevê um incremento anual de 7 mil toneladas na produção de Propeno da Reduc.
 
Obras para a adequação da unidade de hidrotratamento (HDT), que ampliarão a capacidade de produção de diesel S-10 da Reduc dos atuais 5.000 m³/dia para 9.500 m³/dia, estão em andamento, com 20% de avanço físico e previsão de entrada em operação até o segundo semestre de 2023.
 
Em outra frente, vale destacar o projeto de integração com o Polo GasLub Itaboraí, que permitirá a produção de lubrificantes mais avançados e derivados com menor teor de enxofre, e potencial para tornar a Reduc a refinaria com a melhor taxa de conversão do país, ou seja, maior capacidade de transformar as partes mais pesadas e de menor valor do petróleo, oriundas do processo de destilação, em moléculas menores, aumentando o aproveitamento econômico do petróleo.

Investimentos em Segurança, Meio Ambiente e Saúde (SMS) permitem que todas essas engrenagens funcionem de forma segura para as pessoas e para o meio ambiente. A Reduc é atualmente uma referência em segurança, com desempenho em indicadores que são benchmarking na indústria. Um dos indicadores mais usados no setor de petróleo para medir a segurança de uma unidade é a taxa de acidentados registráveis por milhão de homem-hora (TAR). A média mundial do setor está em 1,01. Na Petrobras, o limite de alerta para o TAR é abaixo de 0,7 e, na Reduc, o índice é ainda menor: ficou abaixo de 0,2 nos últimos dois anos e está zerado em 2021.
 
“Aos 60 anos de idade, a Reduc está no seu melhor momento, buscando a máxima a eficiência nos processos, com preservação do meio ambiente. Estamos nos tornando cada vez mais competitivos para ajudar a Petrobras a alcançar seus objetivos estratégicos”, comemora o gerente-geral da refinaria, Alexandre Coelho.
 
História
 
A Reduc entrou em operação em 9 de setembro de 1961, contando com apenas seis unidades de processo e uma casa de força. Localizada em Duque de Caxias (RJ), na Baixada Fluminense, a produção de combustíveis era voltada primordialmente para Estado do Rio de Janeiro e sua região de influência. Três anos depois, a Reduc já processava 120 mil barris de petróleo por dia.

Em 1972, a Reduc entra na era dos lubrificantes com a construção do primeiro Conjunto de Lubrificantes. No ano seguinte, iniciou a produção de 4.600 barris/dia de cinco tipos de óleos lubrificantes de origem parafínica. O segundo conjunto foi inaugurado em janeiro de 1979. Também nesta época o gás da Bacia de Campos começa a chegar à Reduc e entram em operação novas unidades de processamento de gás, responsáveis pelo tratamento e separação do Líquido de Gás Natural (LGN) em produtos como gás de cozinha (GLP) e a gasolina natural (C5+).

Nas décadas seguintes, a Reduc se volta para a produção de derivados com maior qualidade e menor impacto ambiental, acompanhando a evolução das leis ambientais e dos motores automotivos, que passam a ser mais elaborados e menos poluentes. Novas unidades que promovem a redução do teor de enxofre, como as de hidrotratamento (1989 e 2004), entram em operação. Outras partidas, como a do Coque em 2008, aumentam a conversão de frações de menor valor do petróleo em derivados mais nobres e maior valor agregado.

Hoje a refinaria trabalha ligada a uma vasta rede de indústrias, garantindo o atendimento às crescentes demandas do mercado por combustíveis, lubrificantes, gás e insumos petroquímicos.

×

Acesso ao Conteúdo

Exclusivo para jornalistas cadastrados.

×

Enviar notícia

Preencha o formulario abaixo para enviar a notícia:

× Crédito AGÊNCIA PETROBRAS

A Equipe Mitsubishi Petrobras, formada pelo piloto Guilherme Spinelli e pelo navegador Youssef Haddad, disputa a 21ª edição do Rally dos Sertões.

×

TESTE